Notícias online em destaque na Rádio Net7

rádio net7 rádio notícias online notícias em destaque notícias música online emissão online top net7 programação quem somos

NOTÍCIAS


As mulheres ganham em média 15% menos do que os homens nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, "um obstáculo importante para um crescimento económico inclusivo", segundo um estudo da OCDE.


noticia3.jpgUma trabalhadora a tempo inteiro ganha em média menos 14,3% por mês do que um trabalhador, uma diferença que quase não registou alterações nos últimos anos na zona da OCDE, indicou a organização, num relatório intitulado "Atingir a igualdade mulheres-homens: um combate difícil", elaborado com base em números de 2015.

A Índia (56%), a África do Sul (41%) e a Coreia do Sul (37%) são os três países onde a diferença é maior. No fim da lista, com uma diferença inferior a 4%, figuram a Costa Rica, o Luxemburgo e a Bélgica.

Em 2010, no conjunto da OCDE a diferença salarial era de 14,6%.

"Houve poucos progressos nos últimos cinco anos e as desigualdades persistem entre mulheres e homens em todos os domínios da vida social e económica", refere o estudo, que foi apresentado em Paris.

Nos países da OCDE, as jovens estudam mais tempo do que os jovens, mas ainda em áreas menos lucrativas como ciências, tecnologias, engenharia e matemática.

Os empregos ocupados por mulheres são "muitas vezes de menor qualidade", "garantem uma protecção social limitada" e são "sinónimo de precariedade", acrescenta o relatório.

As mulheres também estão sub-representadas, por exemplo, em cargos de direcção no sector público e político, ocupando em média um terço dos lugares nos parlamentos de países da OCDE.

"Nenhum país do mundo conseguiu instaurar a paridade. Mesmo nos mais igualitários continuam a ser registadas lacunas inquietantes entre homens e mulheres. Estas desigualdades (...) constituem um obstáculo importante para um crescimento económico inclusivo", afirma a organização.

As mulheres assumem ainda o essencial das tarefas domésticas e de cuidar dos filhos, estando Portugal entre os países da OCDE onde a maior parte desse trabalho "não remunerado" está a cargo de mulheres, a seguir à Coreia do Sul, Japão e México e antes da Turquia e Itália.

"O envolvimento dos pais na tarefa de cuidar dos filhos é essencial para que as mulheres tenham a possibilidade de participar plenamente no mercado de trabalho, na sociedade e na economia", defende o relatório.

Segundo a OCDE, mais de metade dos países da OCDE propõem uma licença de paternidade remunerada com uma duração mínima de vários dias e são cada vez mais os que reservam uma parte desta licença parental só para os pais, duas medidas consideradas "cruciais".

 

< voltar

87 por cento dos colaboradores sentem-se desmotivados no local de trabalho. Esta é a principal conclusão de um estudo desenvol...

+ info

 

Os jovens usam cada vez mais o telemóvel, mas revelam estar menos preocupados com os possíveis efeitos da exposição às...

+ info

 

‘Cabras sapadoras’ são a resposta do Governo para controlo de combustível florestal. O Governo quer colocar e...

+ info

 

Cientistas editam genoma de porco para eliminar vírus. Cientistas usaram uma técnica de edição genética para...

+ info

 

Como resistir à gula? Pecado da gula é o seu nome do meio? Se quer aprender a controlar esses instintos efémero...

+ info

 

Corais estão a morrer a um ritmo inédito. Os recifes de coral de todo o mundo estão em risco devido ao aquecimento global, al...

+ info

 

Find more about Weather in Porto, PO Find more about Weather in Lisboa, PO Find more about Weather in Faro, PO